Fundep

Fundep é aprovada para coordenação da linha VI do Programa Rota 2030

Postado em Rota2030
Linha VI será concentrada na produção de tecnologias e formação de mão de obra qualificada relacionadas à conectividade veicular
Linha VI será concentrada na produção de tecnologias e formação de mão de obra qualificada relacionadas à conectividade veicular (Freepik).

Nova linha será concentrada na produção de tecnologias e formação de mão de obra qualificada relacionadas à conectividade veicular. 

Conectividade veicular é a capacidade de veículos enviarem e receberem informações, de forma remota, para outros veículos, estruturas, fabricantes e provedores de serviços. E é também o foco de uma nova linha do Rota 2030 que ficará a cargo da Fundação de Apoio da UFMG (Fundep). A proposta técnica de coordenação da linha – elaborada juntamente com um comitê interdisciplinar formado por professores do Departamento de Ciência da Computação (DCC) e da Escola de Engenharia da UFMG – foi escolhida entre proposições de outras cinco instituições de ciência e tecnologia do País. Com o resultado, a Fundep passa a ser responsável por metade das linhas do programa Rota 2030, que tem o objetivo de fomentar o desenvolvimento tecnológico e industrial do setor automotivo e sua cadeia de produção.

A seleção foi realizada pela Secretária de Desenvolvimento da Indústria, Comércio, Serviços e Inovação (SDIC) do Ministério da Economia, responsável pelo Programa. A Linha VI é intitulada Estímulo à Produção de Tecnologias Relacionadas à Conectividade Veicular e passa a ser a terceira sob responsabilidade da Fundep, que coordena ainda a Linha IV – Ferramentarias Brasileiras Mais Competitivas – e a Linha V – Biocombustíveis, Segurança Veicular e Propulsão Alternativa à Combustão. 

 

INOVAÇÃO E CONECTIVADE PARA O SETOR 

A nova linha tem como objetivo promover pesquisa, desenvolvimento e inovação (PDI) em conectividade veicular, de forma a gerar impacto positivo na cadeia de produção do setor automotivo. O escopo da linha abrange inovações em veículos autônomos, conectividade no interior dos veículos e com o ambiente externo, bem como a infraestrutura de conectividade para centros urbanos e rodovias, novos modelos de negócios baseados no uso de dados gerados pelos veículos e tecnologias de segurança de dados.

De acordo com a coordenadora de Gestão de Programas da Fundep, Ana Eliza Braga, os resultados esperados para a Linha VI incluem estruturar um sistema de aprendizado nacional e promover novos modelos de negócios relativos à conectividade veicular. “E para potencializar os resultados, é proposta da linha também realizar workshops e capacitação de profissionais na área”, explica.  

“Esses resultados complementam focos das demais linhas do programa, particularmente das linhas já coordenadas pela Fundep”, esclarece, acrescentando que desde 2019, quando se integrou ao Rota 2030, “a Fundep desenvolveu capacidade de criar comunidades de escuta e prática, com membros diversos da indústria, academia e entidades do setor. Conectar esses agentes gera significado e fortalece a nossa rede de atuação”. 

Na gestão da Linha IV,  já foram captados cerca de R$ 139 milhões e financiados 13 projetos. Por sua vez, a linha V captou R$ 186 milhões e tem 46 projetos financiados. Além dos projetos de PDI, as linhas financiam outras iniciativas para o desenvolvimento da cadeia automotiva, como a formação e capacitação de pessoas, mapeamentos de necessidades do setor e atuação em frentes de empreendedorismo, entre outras ações específicas a cada. As duas linhas juntas já possibilitaram a interação de mais de 150 empresas e 200 institutos de pesquisa e inovação (ICTs). Para a Linha VI, a proposta técnica Fundep-UFMG prevê a captação e execução de R$ 200 milhões. 

 

ESTÍMULO À PESQUISA TRANSDISCIPLINAR

Integrante do comitê técnico propositor da proposta, o professor Martin Ravetti, do Departamento de Ciência da Computação da UFMG celebrou a conquista e apontou três perspectivas de impacto para as universidades.

“No Brasil, ainda não é muito comum que a iniciativa privada se associe às universidades para desenvolvimento de tecnologia, que é justamente a proposta do Rota 2030. Portanto, ter mais uma linha no programa é ter um número maior de editais de financiamento. Esses editais vão fomentar grupos de pesquisa de ICTs de todo o Brasil a se movimentar na direção das pesquisas em conectividade, ainda não muito presentes na academia, fortalecendo essa área de pesquisa e gerando, ao mesmo tempo, novos negócios para a cadeia automotiva. Por último, haverá capacitação de graduandos e pós-graduandos para atuar no setor automotivo com análise de dados , inteligência artificial e sistemas complexos”, elencou.

De acordo com Ravetti, além de ser esperada a participação de pesquisadores de todo o País, também espera-se a contribuição de diferentes áreas do conhecimento. “Ainda que o foco inicial esteja mais associado às engenharias e à computação, novos negócios geram novas perguntas. Por exemplo, podemos nos perguntar sobre as implicações dos carros autônomos para a segurança das pessoas nas cidades, ou como o transporte coletivo pode se valer deste conhecimento. O debate pode estar vinculado à discussão das cidades inteligentes e isso requer olhos além da computação e engenharia. É um movimento naturalmente transdisciplinar”, explica.  

Para o presidente da Fundep, Jaime Arturo Ramírez, “o fato de a coordenação geral do Rota 2030 ter reconhecido a solidez da proposta técnica construída em parceria com um comitê técnico da UFMG indica que acertamos em, cada vez mais, envolver a UFMG e outras universidades nesta iniciativa que busca resolver demandas muito claras e específicas postas em nossa sociedade. Como fundação de apoio nos cabe esse papel de ser o elo entre universidades, governos e o setor produtivo”.

 

PROGRAMA ROTA 2030

O Programa Rota 2030 é uma iniciativa do Governo Federal, descrita na Lei Federal nº 13.755/2018, para estimular o investimento e o fortalecimento das empresas brasileiras do setor automotivo por meio do desenvolvimento e da aplicação de novas tecnologias. 

A Fundep foi aprovada em 2019 como coordenadora de duas Linhas do Programa: Ferramentarias Brasileiras Mais Competitivas; e Biocombustíveis, Segurança Veicular e Propulsão Alternativa à Combustão. Com a linha VI, Estímulo à Produção de Tecnologias Relacionadas à Conectividade Veicular, a Fundep assume a coordenação de metade do total das linhas do programa. 

Skip to content