Fundep

Sentidos do nascer – Parque das Mangabeiras

Postado em Eventos C,T&I

Esclarecer os benefícios do parto normal, derrubar os mitos relacionados ao nascimento e ao parto e orientar sobre os prejuízos da cesariana desnecessária sobre a saúde da mulher e do bebê estão entre os objetivos da mostra interativa Sentidos do nascer, que está aberta ao público no Parque das Mangabeiras até 5 de fevereiro

A exposição vale-se de recursos lúdicos e sensoriais reunidos em programação variada para gestantes, seus companheiros e familiares. Há filmes, rodas de conversa com grupos de apoio ao parto e bate-papo com profissionais e professores da Escola de Enfermagem e da Faculdade de Medicina da UFMG. Também são oferecidas atividades formativas para os trabalhadores da área de atenção básica de saúde da rede municipal e outros interessados, com o propósito de estimular a mudança de comportamento das equipes de saúde com relação à gestão e ao parto.

O projeto

São quatro ambientes interativos: gestação, mercado de parto e controvérsias. Após a sequência, o público segue para a experiência sensorial do Nascimento, com sons de batimentos cardíacos e ruídos que reproduzem o que a criança ouve quando está no ventre da mãe. Os visitantes, então, entram no útero e nascem, passando pelo canal de parto.

O projeto, desenvolvido por equipe multiprofissional das áreas de saúde e educação, foi idealizado pela pediatra e epidemiologista Sônia Lansky, coordenadora da Comissão Perinatal e do Movimento BH Pelo Parto Normal da Secretaria de Saúde de BH, e pelo professor da Faculdade de Educação da UFMG e historiador da ciência Bernardo Jefferson de Oliveira. A Fundep realiza a gestão administrativo-financeira do projeto que contempla a exposição.

Visite!

Exposição Sentidos do nascer
Parque das Mangabeiras – Av. José do Patrocínio Pontes, 580, Mangabeiras
Até 5 de fevereiro de 2017, de quinta a domingo, das 9h às 17h.

Mais informações no site do projeto, que abriga sistema de agendamento de visitas em grupos (acima de cinco pessoas).

Fonte: Agência de Notícias UFMG