Fundep

Por mais mulheres e meninas na ciência

Postado em Ciência, Tecnologia e Inovação
E-book “Mulher faz Ciência“

Para marcar o Dia Internacional das Mulheres e o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, comemorado em fevereiro, conheça o e-book do projeto Minas Faz Ciências “Mulher faz Ciência“, com histórias de dez cientistas brasileiras. Entre elas, está Rafaela Salgado Ferreira, professora do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG e uma das 15 jovens cientistas de todo o mundo que receberam o prêmio internacional para talentos promissores da ciência, o International Rising Talents, da Fundação L’Oréal, em 2018, por suas pesquisas sobre novos medicamentos para doenças negligenciadas pela indústria farmacêutica.

“Quando nós analisamos os números, as estatísticas, no mundo inteiro, apenas um terço dos cientistas são mulheres. Quando analisamos os cargos mais elevados, só cerca de 10% são ocupados por mulheres. Então, nós ainda temos um problema, sim, de desigualdade”, analisa a professora Rafaela. A Fundep é parceira da professora Rafaela na gestão de pesquisas.

Quem também integra a publicação é a arquiteta Priscila Gama, idealizadora do aplicativo Malalai, voltado à segurança feminina, que já participou do Lemonade, programa de aceleração de startups da Fundep.

Outra representante da UFMG é a estudante Ingrid Spangler, de Ciência da Computação, finalista de uma competição de hacking, modalidade ainda considerada território predominantemente masculino. Na obra também estão cientistas pioneiras como a astrônoma da Nasa Rosaly Lopes, recordista mundial na descoberta de vulcões, e as físicas Márcia Barbosa, da Academia Brasileira de Ciências, e Sonia Guimarães, primeira mulher negra a obter o título de doutora em Física no Brasil. Há também jovens que ganharam projeção nacional e internacional, como a cearense Myllena Crystina da Silva, técnica em meio ambiente que descobriu um novo material para ajudar a conter vazamentos de petróleo. Completam a lista Fernanda Staniscuaski, bióloga gaúcha, fundadora do projeto Parent in Science, Natália Oliveira, bióloga e pesquisadora da genética forense em Pernambuco.

O e-book Mulher faz Ciência: dez cientistas, muitas histórias tem produção e redação da jornalista Alessandra Ribeiro, diagramação da publicitária Fatine Oliveira e colaboração do desenvolvedor web William Araújo, responsável pelo website do livro. Todos são integrantes do projeto de divulgação científica Minas Faz Ciência, vinculado ao Programa de Comunicação Científica e Tecnológica da Fapemig. Clique aqui e acesse.

Imagem retirada do e-book Mulher faz Ciência
Mulheres e meninas na ciência

Liderada pela Unesco e pela ONU Mulheres, o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência visa promover o acesso integral e igualitário da participação feminina no ecossistema de pesquisa, ensino e inovação. Esse dia é um lembrete de que as mulheres e as meninas desempenham um papel fundamental nas comunidades da ciência e tecnologia e que a sua participação deve ser fortalecida.

De acordo com O Instituto de Estatísticas da Unesco, apenas 28% dos pesquisadores do mundo são mulheres. “A igualdade de gênero deve ser considerada um meio fundamental para promover a excelência científica e tecnológica. Na verdade, o potencial inexplorado de meninas e mulheres brilhantes interessadas em ciência, tecnologia, engenharia e matemática (Science, Technology, Engineering and Mathematics – STEM), mas que optam por não estudar ou seguir carreiras nesses campos devido a vários obstáculos que enfrentam, representa uma oportunidade perdida, tanto para as próprias mulheres como para a sociedade como um todo”, informa o site da Unesco.

Neste ano, a ONU Mulheres definiu o mote “Pensemos em igualdade, construção das mudanças com inteligência e inovação” como tema das comemorações do Dia Internacional da Mulher, em 8 de março.

Com informações da Unesco e Minas Faz Ciências