Fundep

Fundep no III Seminário de Oficineiros do Programa Fica Vivo!

Postado em Notícias da Fundep

Diálogo, liberdade de expressão e respeito. Esses foram alguns dos direcionamentos dos debates, palestras e apresentações culturais no III Seminário de Oficineiros do Programa Fica Vivo!, realizado na última segunda-feira (14/6), no Sesc Venda Nova.

Promovido pela Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), o encontro reuniu cerca de 500 oficineiros de diferentes núcleos de Belo Horizonte e do interior do Estado. Também estiveram presentes técnicos, agentes e outros participantes do programa do Governo de Minas Gerais, que é gerenciado e executado pela Fundep.

“A idéia é fazer os oficineiros conversarem entre si, pois só eles conhecem realmente o trabalho desenvolvido”, compreende a diretora de Promoção Social da Juventude e do Programa Vivo!, Kátia Simões, que ressalta a necessidade de promover discussões qualificadas. “Buscamos problematizar a cidadania, em um espaço marcado pela liberdade de expressão e pelo respeito aos jovens e às suas liberdades.”

Encontro

 

 

A abertura do seminário aconteceu no Auditório Lusíadas do Sesc, com as falas de Kátia Simões, da Superintendente de Prevenção da Criminalidade da Secretaria de Estado de Defesa Social, Fabiana Lima Leite, e da analista de projetos Silvana de Souza, da Equipe de Projetos Externos (EPEX 2) da Fundep.

Durante a manhã, os oficineiros se reuniram em cinco grupos temáticos. Em pauta esteve o trabalho realizado nas oficinas, como as formas de aproximação com os jovens. Outros tópicos discutidos foram a capacitação profissional e o direcionamento das atividades que visam controlar a criminalidade em áreas com alto índice de homicídios.

“É extremamente necessário ter esta abertura para o diálogo. Precisamos escutar e provocar o jovem inserido na comunidade”, acredita Rogério dos Santos, que ensina teatro no Núcleo Minas Caixa/Jardim Leblon e dirigiu uma apresentação de seus alunos durante o encontro.

O período da tarde foi destinado à palestra da secretária de Direitos Humanos de Fortaleza, Glória Diógenes, autora de trabalhos de inserção social na periferia da capital cearense, como o “Projeto Enxame”. Falando aos oficineiros, Glória esboçou o cenário atual da juventude brasileira e deixou claro que é preciso compreendê-lo intimamente para pensar em novas perspectivas para os jovens.

“A juventude é a vitrine do mundo moderno. E quem pode mudar alguma coisa não é governo, mas vocês, descentralizados, atuando em comunidades como atores legítimos”, afirma.

Fica Vivo!

 

 

Institucionalizado pelo governo do Estado em 2003, o “Programa Fica Vivo!” mira a redução da criminalidade, com a implantação de programas preventivos em regiões consideradas de risco, marcadas por homicídios e tráfico de drogas. Além de uma espécie de patrulhamento, o intuito é mobilizar jovens entre 12 e 24 anos em oficinas educativas, culturais e profissionalizantes.

Até 2009, a Fundep participava apenas na gestão administrativo-financeira do Programa. A partir de então, a atuação foi estendida para a execução, em um modelo inédito. O projeto é coordenado pela analista Silvana de Souza e pela assistente Adriana Araújo, da Equipe de Projetos Externos (EPEX 2) da Gerência de Atendimento a Projetos (GAP).

Apenas em maio, o Fica Vivo! promoveu 666 oficinas, todas em áreas de risco. Ao todo, são 17 associações parceiras e 24 núcleos de prevenção da criminalidade na Capital, na Região Metropolitana de BH e em outras 5 cidades do interior de Minas Gerais. 15 mil jovens já foram atendidos em diversas atividades.